terça-feira, 30 de junho de 2009

Respondendo ao questionamento feito pelo leitor

Pergunta enviada pela leitora Rosiane. Obrigada por estar acompanhando este blog, continue enviando seus comentários e questionamentos. De acordo com a minhas possibilidades estarei respondendo a todos; se a resposta não estiver esclarecido suas dúvidas, por favor envie mais um comentário sobre o ponto que não foi esclarecido.

Profª Danuza Morais.


UFPE e UPE são contra cota mínima para negros


As duas principais universidades de Pernambuco são contrárias ao projeto de cotas para negros e pardos no acesso a universidades públicas. Aprovado há três meses na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, o projeto fixa uma cota mínima de 20% das vagas das instituições federais e estaduais de todo o Brasil, que têm autonomia para adotar ou não, a medida.

O reitor da Universidade de Pernambuco (UPE), Emanoel Dias, diz que determinar a quantidade de vagas nas universidades públicas para atender a segmentos sociais específicos só reforça a discriminação. "Como educador, defendo o resgate das bolsas sociais e a melhor relação entre a universidade e os Ensinos Fundamental e Médio, pois essa conjuntura é a base do conhecimento e, conseqüentemente, a garantia do ingresso em uma instituição de Ensino Superior", destaca o reitor.

Para incentivar a entrada de estudantes de escolas públicas na universidade, a UPE oferece um cursinho pré-vestibular gratuito (Prevupe), com 1.300 vagas.

O projeto que define uma cota mínima de negros nas universidades ainda não foi avaliado pela Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco. Na opinião do secretário Chico de Assis, a questão "é um tanto perigosa". "O acesso de negros ao Ensino Superior pode ser ampliado, mas o preconceito fica fortalecido", reforça. Embora seja vinculada ao Governo, a UPE tem autonomia para aprovar ou rejeitar o projeto.

O reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mozart Neves Ramos, ainda não se reuniu com o Conselho Universitário para discutir o assunto, mas tem a sua opinião sobre o projeto. "É um paliativo que não resolve o problema. Ao contrário, ele amplia ainda mais a desigualdade, uma vez que estará dando acesso ao Ensino Superior pela porta dos fundos. Se o aluno não teve base para entrar na universidade, como poderá dar continuidade ao processo acadêmico? Isso aumentará mais ainda a evasão", ressalta Mozart.

Como presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Mozart Neves Ramos ressalta que a posição das 54 universidades federais brasileiras é avessa à proposta. "As universidades que aderiram ao projeto são estaduais, o que mostra que foi uma decisão política, já que os governadores podem intervir nessas instituições", afirma o reitor.

Aprovação

Até agora, três entidades de Ensino Superior aprovaram a proposta: a Universidade do Estado do Rio de Janeiro e a Universidade Estadual do Norte Fluminense, por meio de um decreto do ex-governador Anthony Garotinho, e a Universidade do Estado da Bahia (Uneb). A Universidade de Brasília ainda está estudando a hipótese de adotar a medida.

No Rio de Janeiro, os negros e pardos terão direito a 40% das vagas relativas aos cursos de graduação em 2003, por meio de um processo seletivo diferenciado para esses alunos.
O Conselho Universitário da Uneb também irá destinar 40% das vagas de todos os cursos de graduação e pós-graduação para negros. A cota já é válida para o próximo vestibular, que vai oferecer 3.600 matrículas para Salvador e outros 19 municípios.

UFPE acaba ponto de corte

A primeira fase do vestibular da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) será o Exame Nacional de Ensino Médio. O ponto de corte será extinto. Os candidatos que fizerem o Enem e se inscreverem para o vestibular da UFPE passarão automaticamente para a segunda etapa, mas terão que fazer inscrições separadas. A segunda etapa continuará sendo realizada pela Comissão do Vestibular (Covest), e acontecerá dias 20 e 21 de dezembro, com o mesmo modelo de questões dos concursos anteriores.

O vestibulando fará a redação e responderá a 180 questões em dois dias, na 1ª etapa, que não terá prova de língua
estrangeira. Covest aplicará teste de inglês ou espanhol na 2ª fase, com nível de dificuldade de primeira etapa. Na fase final, feras responderão a duas questões discursivas de português e mais três provas de disciplinas específicas, de acordo com o curso desejado.

CONFIRA

» Como será a pontuação na primeira fase [em .pdf]

O Ministério da Educação divulgará, no início de dezembro, as notas de cada uma das quatro avaliações (ciências humanas, ciências da natureza, linguagem e matemática). Para calcular a média na 1ª fase, a Covest aplicará peso diferente para cada área. A maior mudança é em matemática, que passa a valer 15% da média final da 1ª etapa (antes era 8,33%).

Até o último vestibular, a nota da 1ª fase era a média aritmética das três partes do peneirão. Cada grupo de testes valia 33,3% da nota final (português e literatura formavam uma nota; história, geografia e língua estrangeira outra; biologia, física, matemática e química compunham a terceira). A nova distribuição de pontos ficou assim: português vale 30%; matemática, 15%; ciências humanas (história e geografia), 22,5% e ciências da natureza (química, física e biologia), 22,5%. Os 10% restantes referem-se à avaliação de língua estrangeira.

GRATUIDADE - A Covest ainda não definiu o período de inscrições do vestibular. Mas está acertado que ficarão isentos do pagamento da taxa de inscrição alunos de escolas públicas que estejam concluindo este ano o 3º ano do ensino médio. Eles terão que dispor do Número de Identificação Social (NIS), concedido pelo governo federal. Para obter o NIS, o vestibulando deve se dirigir à prefeitura da cidade onde mora e solicitá-lo.

A UFPE é a instituição pública mais concorrida do Estado. Na seleção do ano passado, foram quase 40 mil candidatos disputando 5.996 vagas em 84 cursos. Para o vestibular deste ano, haverá mais vagas com a implantação dos novos cursos (engenharia de materiais e sistema de informação) e a ampliação de odontologia que terá, pela primeira vez, turma à noite.

Compartilhe essa notícia

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Vestibular 2010 da UPE terá provas de filosofia e sociologia


A comissão de vestibular da Universidade de Pernambuco (UPE) divulgou na manhã desta segunda-feira (29), durante entrevista coletiva, o calendário do Vestibular 2010. As duas novidades principais são a inclusão das provas de sociologia e filosofia e o acréscimo do curso de nutrição. As inscrições para a seleção começam nesta terça-feira (30) e seguem até o dia 30 de julho exclusivamente no site da instituição.

As provas de sociologia e filosofia terão seis questões cada uma. De acordo com a UPE, o Vestibular 2010 será organizado considerando-se as áreas curriculares definidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. "Entendemos que essas duas disciplinas contribuem para a formação do cidadão", afirma o reitor Carlos Calado.

O formato tradicional do vestibular será mantido. As provas serão aplicadas em três dias consecutivos: 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro. O conteúdo do exame, no entanto, será adequado ao do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com a inclusão do curso de nutrição, o 41º oferecido pela UPE, serão 3.530 vagas no Vestibular 2010. O novo curso terá 50 vagas e será oferecido em Petrolina no segundo semestre do ano que vem.

COTAS - O sistema de cotas permanece inalterado. Em cada curso oferecido pela UPE, será reservada a cota de 20%, por entrada e curso, para candidatos que estudaram em escolas da rede pública estadual ou municipal. A diferença é que, para concorrer ao percentual de vagas, o candidato deve ter estudado não apenas o ensino médio em escola pública, mas também todo o ensino fundamental II (desde a 5ª série).

INSCRIÇÕES - As inscrições para o Vestibular 2010 da UPE começam nesta terça-feira (30) e seguem até o dia 30 de julho exclusivamente no site da instituição. A taxa de inscrição custa R$ 100 e pode ser paga em qualquer casa lotérica da Caixa Econômica Federal. Os candidatos contemplados com a isenção devem realizar a inscrição, obrigatoriamente, no período estabelecido no calendário geral de eventos, sob pena de perder o vestibular. A lista de isentos deve ser divulgada até a meia-noite de hoje (29).

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Novo Enem a toda prova

Pelo menos seis milhões de brasileiros devem participar do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), segundo estimativas do Ministério da Educação (MEC). As inscrições começam esta segunda (15) e as provas serão em outubro. Para facilitar a vida dos estudantes, o Jornal do Commercio explica, neste caderno especial, as mudanças do exame, como o fera deve fazer para se inscrever e quais os conteúdos que merecem ser revisados. Traz também detalhes de como as universidades públicas de Pernambuco aproveitarão a nota da avaliação em seus vestibulares. Em todo o País, 41 das 55 federais adotarão o Enem de alguma forma em seu processo seletivo. Os textos são de Margarida Azevedo e Cláudia Vasconcelos.

Nos dia 3 e 4 de outubro, estudantes de todo o Brasil farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), avaliação criada pelo Ministério da Educação (MEC) em 1998 para verificar como está a formação dos jovens que terminam a última etapa da educação básica. Qualquer pessoa pode fazer as provas. Basta se inscrever, de hoje até o dia 17 de julho, no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do MEC responsável pela avaliação.

A taxa é R$ 35, paga em qualquer agência bancária. Alunos matriculados no 3º ano de escola pública fazem o exame
gratuitamente. Todos precisam dispor de CPF para efetuar a inscrição. Somente com o número desse documento o estudante terá como acessar pela internet o resultado do exame.

INFOGRÁFICO

» Rumo à universidade [ em ।pdf ]

LEIA MAIS

» UFPE acaba ponto de corte
» Exame em vez de vestibular
» Feras vão dar adeus à decoreba
» Fórmulas não estão dispensadas
» Acompanhar notícias é segredo das humanas
» Ciências da natureza exploram temas do dia a dia
» Redação pede leitura de mundo
» Metade das vagas para rede pública
» Antigo Cefet aproveitará 30% da nota do Enem
» UPE ainda não vai adotar novo sistema
» Mais chances pelo Brasil
» Confiança é essencial

A participação nas provas é voluntária. A novidade desta 12ª edição é o aproveitamento do exame em substituição parcial ou total aos vestibulares das principais universidades federais brasileiras. A expectativa é que aproximadamente seis milhões de pessoas participem do novo Enem. Ano passado foram quatro milhões de inscritos, dos quais 157 mil em Pernambuco.

Enquanto nos vestibulares tradicionais as disciplinas aparecem em provas separadas, com conteúdos específicos de cada matéria, no Enem a principal característica é a interdisciplinaridade. Numa mesma questão, o estudante pode precisar de conhecimento de mais de uma disciplina. Em vez de decorar fórmulas, o exame obriga o estudante a refletir. O MEC prometeu disponibilizar, antes da data das provas, um modelo de como será o novo exame.

MUDANÇA - Até o ano passado, a avaliação tinha 63 questões e uma redação e acontecia em apenas um dia. A partir de agora serão 180 quesitos e a redação, que deverão ser respondidos em dois dias. A mudança vai acontecer porque o Enem será usado no vestibular de pelo menos 20 universidades do País. É o caso, no Estado, das Universidades Federal Rural de Pernambuco e Federal do Vale do São Francisco. Na Universidade Federal de Pernambuco, o exame valerá como primeira fase.

O MEC vai aplicar o Enem em 1.826 cidades. Em Pernambuco, o teste acontecerá em 82 municípios e na Ilha de Fernando de Noronha. Ano que vem, o teste será realizado duas vezes. A primeira prova está prevista para abril.

Além de ser usada no vestibular, a nota do exame é o principal critério para quem deseja ingressar no Programa Universidade para Todos (Prouni), que oferece bolsas de estudos em faculdades privadas para alunos carentes.

Compartilhe essa notícia

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Respondendo a um questionamento


Respondendo a um questionamento feito a alguns dias, acerca da redação do vestibular. A pergunta foi sobre o que se deve fazer ao errar quando se está passando a redação para folha principal.

Vai ai minha resposta:

Olha querido, é nos dado a oportunidade de refazer através da folha de rascunho que nos é dada, junto com o gabarito a ser preenchido, por isso a dica que eu lhe dou, é de ler mais de uma vez e observar todos os possíveis erros a serem corrigidos, por que apartir do momento em você passar para folha principal, não vai poder de maneira alguma rasurar, então o máximo que você pode fazer é tentar adequar o resto da sua redação quando não se tratar de um erro ortográfico, mas de colocação talvez.

Continue acompanhando este blog, que estarei postando apartir de hoje algumas dicas sobre redação। Obrigada pelo seu comentário, continue acompanhando e enviando suas dúvidas, estarei respondendo a todas sempre que puder. Desculpe a demora! (vida de professora rsrs...)



Dicas para arrasar na redação do वेस्तिबुलर

"Um dos piores erros que os candidatos podem cometer em uma prova de redação é a extrema preocupação com a forma, com a gramática।

Já faz tempo que o segredo de escrever uma boa redação deixou de ser o fato de não errar a gramática. Na opinião de especialistas, acima de tudo, uma boa redação de vestibular - que nada mais é do que um teste para averiguar a capacidade do estudante em opinar e refletir - deve conter argumentação bem colocada e bem fundamentada.

Para se sair bem em sua "defesa", os especialistas dizem que os candidatos não devem ficar "em cima do muro" (ora a favor, ora contra o tema), tampouco comprar opiniões do senso-comum. Se o candidato não estiver certo do que está dizendo e não expuser razões para pensar daquela forma o texto fica vazio. "O texto tem que ter posicionamento, se for exclusivamente informativo não é bom. Aliás, não dá nem para começar a escrever um texto se não tiver uma opinião. Um texto sem opinião não existe", reforça o professor de redação do Cursinho Anglo, Maurício Soares Filho.

Para entender melhor por que os especialistas defendem essa idéia é fácil: imagine que as drogas acabaram de ser legalizadas pelo governo. Segundo os especialistas, se as pessoas abrem o jornal e procuram um artigo sobre a questão e encontram um texto sem nenhuma argumentação ou opinião, elas não refletirão, além de chato de ler. Para eles, aquilo que o leitor espera de um articulista é o mesmo que um examinador de vestibular espera de um futuro universitário (especialmente se for de universidade pública): opinião e reflexão.

De acordo com Soares Filho, para seu texto causar impacto, porém, a opinião deve estar muito clara. Por isso, a construção da redação deve valorizar seus argumentos. A ordem é apostar na organização da estrutura textual para não perder o fio da meada. "Organizar as informações é o segredo para fazer que a opinião apareça", complementa Soares Filho.

Treinando um texto nota 10

Se a intenção é obter destaque por meio de uma boa argumentação, o que fazer para se preparar? Ler, ler, ler e escrever, escrever e escrever. "O hábito da leitura ajuda a desenvolver a escrita. Além disso, com a prática da redação, alguns padrões de textualidade são mais facilmente assimilados do que pelo professor a falar em sala de aula", enfatiza Marisa.

Para Soares Filho, a prova de redação é 50% leitura e 50% escrita. "Uma é conseqüência da outra. O primeiro passo para ter sucesso é ler o tema com muita atenção e, em seguida, posicionar sua opinião para definir o que será defendido".

Uma boa dica é ler editoriais, crônicas, artigos e textos assinados que emitam opinião sobre o tema que é retratado. Com isso, é possível criar uma bagagem de como e em que momentos é pertinente evidenciar as opiniões pessoais.

Outra dica valiosa é procurar ser autêntico. Na hora de escrever um texto sobre a legalização das drogas ou do aborto ninguém precisa "encarnar o revolucionário" para passar em um vestibular de uma universidade famosa por sua histórica política de contestação. A autenticidade do seu pensamento deve estar refletida em seu texto, nem mais, nem menos.

"Como professor, uma de minhas preocupações é esclarecer para os meus alunos que eles não devem fingir ser uma pessoa que não são na hora de escrever, pois assim, vão ter dificuldades em sustentar os argumentos, e fica muito fácil se contradizer, o que compromete a qualidade do texto", diz Maurício.

Por fim, a prova de redação serve para avaliar a capacidade do candidato de se comunicar por escrito, de fazer reflexão e de conseguir se expressar de maneira simples e coesa. Por isso é tão importante não ser superficial e mostrar uma visão crítica sobre o tema a ser discutido.

Clique nos títulos abaixo e confira o parágrafo inicial de três redações da edição 2006 do vestibular da FUVEST (Fundação Universitária para o Vestibular) a respeito do tema "visões sobre trabalho":




quarta-feira, 3 de junho de 2009

cursos e concursos



POESIA

A revista Oca das Letras lança o 1º Prêmio Sepé Tiaraju de Poesia Ibero-Americana 2009. As inscrições são gratuitas por meio da página www.ocadasletras.com.br. O prêmio contempla poesias concebidas nas línguas portuguesa, espanhola e Guarani. Os trabalhos farão parte de uma coletânea poética contendo três poemas de cada um dos 20 primeiros colocados. Também será publicado um livro do autor vencedor. Os concorrentes poderão participar com três poesias, cada uma limitada a 25 linhas de 60 caracteres. As obras devem ser inéditas e não podem ter sido premiadas em outro concurso.
Até 31 de agosto



01/05 a 31/08/2009
.

Chico Science


ano 2009 | nº 165 | maio de 2009 |
prefeitura do recife | secretaria de cultura | fundação de cultura

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Veja como os falsos cognatos (False Friends) podem complicar sua vida


Oi galera, como diz o ditado “antes um inimigo declarado do que um amigo falso”. Esse ditado se encaixa perfeitamente ao inglês, no quesito “False Friends”. A tradução correta é Falsos Cognatos. Como eu já citei no artigo “400 palavras em inglês num minuto” as semelhanças são enormes, a ponto de uma pessoa que nunca estudou inglês ser capaz de entender um texto apenas pelas pistas (hints) das palavras cognatas. Mas como as aparências enganam (all that glitters is not gold), muitas vezes essas correlações nos pegam de calças curtas. Meu Deus, quanto provérbio! Acho que ainda estou com a cabeça no último artigo!Então, vamos parar com a enrrolação e ir direto ao ponto. Segue abaixo uma lista com alguns erros clássicos, talvez simples demais para um estudante avançado, mas que fazem toda a diferença na comunicação por isso não posso deixar de citá-los. Veja:

Sort – Não tem nada a ver com sorte, significa classificar, separar. A palavra sorte é luck.

Bark – Não tem nada a ver com barco que, aliás, é ship. A tradução correta para bark é latir. “Their dog is barking a lot”

Large – Uma pessoa desatenta pode traduzir como largo, mas na verdade large significa grande. Largo é “wide”.

Coroner - Não é a pronúncia mineira de “coronel”. É uma espécie
de médico legista ou encarregado por uma investigação. Lembra de CSI? O Grissom é uma espécie de coroner.

Date - Além de “data” é “Encontro”. Veja um exemplo: my girlfriend took me to a restaurant for our date.

Pretend – Esse tem até uma historinha interessante. Certa vez a sumidade que vos fala, estava conversando por telefone com uma amiga americana agendando uma visita a sua casa. Eu disse: “I pretend to visit you”, ela não entendeu. Sabe porque? Pretend significa fingir, simular. Ainda bem que ela me corrigiu com educação. Ela disse: “Do you intend to visit me?“.

Termino hoje com essa mancada. Espero ter ajudado.

Hugs.

Siga-me por e-mail